Assembleia geral aprova indicativo de greve para 10 de novembro

0

 

A base do Sinditest aprovou indicativo de greve da FASUBRA para 10 de novembro, condicionando a adesão à participação de outras categorias. Os(as) trabalhadores(as) avaliaram ser arriscado entrar em greve de forma isolada na atual conjuntura, que envolve a possibilidade de corte de ponto e de perseguição às lutas.

A data apontada pela FASUBRA é 23 de outubro – a assembleia defende  a greve a partir de 10 de novembro, que será um dia nacional de paralisação. É esse posicionamento que os(as) delegados(as) eleitos(as) defenderão na Plenária da FASUBRA.

Também foi aprovada a redação de um documento para pressionar as outras centrais sindicais a mobilizar suas bases para a construção de um movimento paredista forte e unificado, e informar que a CSP-Conlutas tem disposição pra aderir à greve geral.

Técnicos(as) da UTFPR deram informes sobre assédio moral e perseguição que vêm sofrendo, como movimentações de setor. Além disso, o acordo da greve de 2016 que foi fechado em agosto – após muita intransigência e indisposição para negociar da Reitoria – obrigará os(as) trabalhadores(as) a cumprir 16 horas de reposição no local de trabalho e mais 200 horas em cursos de capacitação.

Apesar do cenário difícil, a luta é necessária, afirmou a coordenadora de Comunicação e Imprensa do Sinditest, Carla Cobalchini. “Nunca tivemos tantos motivos para fazer greve. O ministro da Fazenda Henrique Meirelles já anunciou que a Reforma da Previdência vai ser aprovada ainda este ano. O fim da estabilidade já foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. Nossa carreira está ameaçada, o governo quer transformar o incentivo à qualificação em um valor fixo, que vai ficar congelado”, listou.

“Não queremos chamar uma greve com irresponsabilidade, queremos ter condições de fazer greve. Não podemos escolher o caminho de ficar sentados no sofá assistindo aos ataques acontecerem. Não podemos nos acovardar. Nosso medo não pode ser maior que nossa capacidade de resistência”, afirmou Carla.

Plano de carreira

O coordenador de Formação Política do Sinditest Bernardo Pilotto fez uma fala sobre o plano de carreira da FASUBRA. Confira o texto escrito por ele sobre o que já foi conquistado e onde se pode avançar.

Reforma Tributária

O cientista político do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (IBEPS) Eric Gil Dantas foi convidado a falar sobre o sistema tributário brasileiro, que cobra mais impostos dos pobres do que dos ricos. Diferentemente da maioria dos países, os impostos no Brasil recaem mais sobre o consumo – no ato de comprar produtos – do que sobre a renda, a riqueza dos cidadãos.

Assim, os bilionários pagam a mesma alíquota de imposto sobre um pacote de feijão do que os(as) trabalhadores(as) que compõem os 99% da população restantes. Essa alíquota, porém, corresponde a uma parcela muito maior da renda da classe trabalhadora do que da renda dos grandes empresários e banqueiros(as), fazendo com que o sistema seja injusto e reforce a desigualdade.

A Reforma Tributária que será proposta em breve por Temer e pelo deputado Luiz Carlos Hauly, no entanto, não é benéfica para os(as) trabalhadores(as), pois visa retirar uma contribuição que é fonte de financiamento para a Previdência Social.

Compartilhar.

Autor

Leave A Reply

X