PRESTAÇÃO DE CONTAS 2014

0

Confira o resultado parcial da Prestação de Contas de 2014. Publicados os dados referentes aos meses de janeiro a novembro de 2014. 

O ano de 2014 foi o mais difícil de toda a história recente do Sinditest-PR. Realizamos três greves (duas dos trabalhadores da FUNPAR/HC e a greve nacional da FASUBRA) e pelo menos três grandes mobilizações contra a privatização do Hospital de Clínicas, através da EBSERH.

Foi um ano repleto de mobilizações e atividades, que consumiram as forças da categoria, além de esgotar também as forças dos dirigentes sindicais e membros dos comandos de greve e mobilização.

Logo após termos encerrado a greve e após o fim das mobilizações contra a EBSERH, ainda tivemos que retirar energia do fundo da alma para realizar o processo de Reforma Estatutária e o Congresso do Sinditest, com mais de 30 assembleias realizadas em todo o estado, e que culminaram com duas vitórias políticas e organizativas muito importantes: o registro das alterações formais no Estatuto, necessárias para a regularização do CNPJ do sindicato, e nossa filiação à Central Sindical e Popular CONLUTAS.

Em relação ao cenário nacional, porém, não fomos capazes de reverter a intransigência e a estupidez do governo federal e da reitoria da UFPR, que conseguiram, ao final, privatizar o HC e assinar o acordo de demissão dos trabalhadores da FUNPAR.

Este êxito do governo Dilma e do Reitor Zaki Akel, no entanto, custou caro a eles. A aprovação da EBSERH se deu graças à brutalidade da repressão policial (que deixou vários feridos, além da prisão arbitrária e ilegal do estudante Nicolas Pacheco) e devido a um golpe: foi aprovada pelo celular. A mobilização encabeçada pelo Sinditest e pela Frente de Luta “Pra Não Perder o HC” levou ao conhecimento de toda a sociedade a barbaridade que o governo do PT e o Reitor Zaki Akel estavam fazendo com o Hospital de Clínicas.

A prova de tudo o que dizíamos começou a aparecer agora, já no primeiro mês de 2015. Nossos colegas de trabalho da empresa HAMIRISI entraram em greve para receber seus salários, e os trabalhadores da FUNPAR/HC ficaram sem receber até o dia 8 de janeiro. Essa é a lógica da privatização, a lógica da EBSERH: os trabalhadores ficam sempre em último lugar.

Nadando contra a corrente

Todas essas batalhas se deram num cenário de grande dificuldade, pois o Sinditest é provavelmente o sindicato mais perseguido da base da FASUBRA. Temos apenas dois diretores liberados para o exercício do mandato (a lei já prevê quatro) e mesmo assim a Reitoria e a PROGEPE  se negam a regularizar a situação desses diretores, desrespeitando a lei e afrontando a organização dos trabalhadores. A Reitoria investiu pesado também na criminalização das greves, ordenando o corte de ponto e a responsabilização criminal dos trabalhadores do Hospital de Clínicas que aderissem às mobilizações, além de realizar fortes campanhas de difamação contra o sindicato, publicando inúmeros boletins e jornais (alguns anônimos) destinados a confundir os trabalhadores e a afastá-los do sindicato e das lutas.

A esperança do governo, dos agentes da privatização e da Reitoria da UFPR com todos esses ataques era dobrar o sindicato, quebrar a organização dos trabalhadores, para que renunciássemos às batalhas contra a privatização do HC. Não conseguiram. O Sinditest e a categoria se mantiveram de cabeça erguida e lutaram até o último momento, o momento em que o Estado e seu aparato de repressão, seus homens armados, inevitavelmente se impõem sobre as mãos desarmadas dos trabalhadores.

A repressão produz resultados

Embora não tenham conseguido dobrar o sindicato politicamente, a repressão produziu estragos no terreno da organização. No cenário de criminalização das lutas que enfrentávamos, não tivemos tempo suficiente ou energia para nos dedicar a algumas tarefas administrativas. Em meados de junho, para contornar essa dificuldade, contratamos uma administradora para cuidar dos assuntos internos do sindicato, e confiamos toda a contabilidade aos funcionários.

Por isso, não conseguimos publicar a prestação de contas de acordo com nosso plano original. Apesar disso, estávamos tranquilos em relação aos trabalhados da contabilidade e da administração. Sabíamos que a prestação de contas estava sendo feita.

Tudo o que dissemos acima é apenas uma explicação do porquê não divulgamos a prestação de contas anteriormente. Estamos cientes de que é uma falha grave não publicá-la e que isso nos prejudicou durante o ano, pois no auge da mobilização pela Reforma Estatutária, no momento em que era necessária a unidade da categoria e sua participação, a oposição governista conseguiu lançar campanhas difamatórias contra nós e esvaziar algumas assembleias, espalhando dúvidas na base devido à ausência da prestação de contas.

Um balanço positivo, apesar da falha localizada

Gostaríamos de dizer, no entanto, que apesar de termos falhado em divulgar os dados com regularidade, nunca houve descontrole financeiro ou administrativo. Enfrentamos fortes tempestades e saímos delas com o sindicato em melhores condições, com o Estatuto corrigido, com o CNPJ regularizado e com alvará de funcionamento para nossa sede social.

Ao mesmo tempo, temos orgulho em dizer que somos uma diretoria que combate conscientemente a burocratização, isto é, a tendência que aflige qualquer dirigente sindical, a de obter privilégios, no início pequenos, mas que, se não forem combatidos, crescem até se transformar em enriquecimento ilícito. Quantos ex-diretores de sindicatos terminaram seus mandatos ricos, com carros importados, com imóveis, cargos no alto escalão da administração pública ou nas empresas de seus patrões?

De nossa parte, temos orgulho de dizer que estamos mais pobres do que nunca, assim como a maioria dos trabalhadores da nossa base e de todo o país. Em nossa gestão os diretores não têm privilégios, nem grandes, nem pequenos. Não recebem sobre-salário, não recebem as chamadas “ajudas de custo” (salvo em caso de estrita necessidade) e as diárias para atividades fora da capital são controladas. Somos também a única gestão da história do Sinditest a fazer essa exposição categórica dos gastos da entidade. Este feito foi reconhecido até mesmo pela oposição governista.

Perspectivas

Seguindo a recomendação da Auditoria interna realizada em 2013, e reforçada por decisão de Assembleia Geral, concluímos o processo de transição e substituição do contador que até então prestava serviços para o sindicato. A partir de agora, a contabilidade está a cargo de um nova empresa.

Por outro lado, conseguimos nos reorganizar após o turbulento ano de 2014, e agora estamos em melhores condições para garantir a publicação trimestral da prestação de contas e principalmente de assegurar que o Sinditest-PR continuará avançando na luta por melhores salários, melhores condições de trabalho e na defesa dos empregos, da saúde e da educação públicas.

A Diretoria

Gestão Sindicato é pra Lutar!

***

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2014

A seguir, divulgamos os dados de 2014. É apenas uma prévia, pois é preciso fazer alguns ajustes e não conseguimos ainda concluir o balancete dos meses de novembro e dezembro. Nossa intenção é concluir o relatório final ainda neste mês, para então convocar a Assembleia do Conselho Fiscal para apresentar a prestação de contas de 2014.

Também divulgaremos ainda em janeiro a prestação de contas completa do Fundo de Greve de 2014. Na Assembleia do Conselho Fiscal, vamos apresentar também os dados de 2013, que já foram analisados pelo Conselho Fiscal.

As planilhas estão disponíveis para download e são acompanhadas de breves comentários. Todos os extratos bancários, bem como as cópias de notas fiscais, recibos e contratos estão à disposição do Conselho Fiscal.

Os registros dos lançamentos efetuados nas contas correntes do sindicato aparecem na planilha de prestação de contas geral. Os gastos “miúdos” do cotidiano, registrados no livro caixa e depois contabilizados (são pagos diretamente pelo financeiro do sindicato), aparecem na planilha “Fundo de Caixa”.

Até o final do mês publicaremos os dados faltantes (Fundo de Caixa de novembro e os dados de dezembro).

JANEIRO de 2014

Não há nada especialmente relevante na prestação de contas de janeiro de 2014, exceto a herança deixada pelas gestões anteriores (Néris/Messias): R$ 19 mil (dezenove mil reais) de prejuízo que vão pelo ralo até maio, decorrentes de condenações. O empréstimo de 12 mil acaba em maio, mas a indenização de 7 mil ao ex-funcionário subcontratado pela dupla citada acima se estende por todo o ano…

Prestação de Contas Janeiro

Fundo de Caixa Janeiro

FEVEREIRO DE 2014

Em fevereiro começa a preparação da greve. Os gastos com as atividades alcançam 26 mil, contra 127 mil gastos com manutenção do patrimônio, administração, folha de pagamento e contratos. Isso mostra que ainda temos muito o que fazer no sentido de mudar a natureza do sindicato, que continua sendo ainda um aparato excessivamente grande e dispendioso (herança dos quase 20 anos de gestões pelegas/burocráticas e assistencialistas).

Prestação de Contas Fevereiro

Fundo de Caixa Fevereiro

MARÇO DE 2014

Em março começa a greve, mas ainda não temos recursos específicos. Por debilidade nossa e do Comando Local de Greve, assunto que será tratado posteriormente (com a publicação do balanço do Fundo de Greve), a contabilidade dos gastos da greve é feita pelo financeiro do sindicato, junto com as finanças regulares da entidade.  

Prestação de Contas Março

Fundo de Caixa Março 

ABRIL DE 2014

Em abril, no auge da greve, os gastos com as atividades atingem R$ 105 mil, ultrapassando a Folha de Pagamento e os gastos administrativos e de manutenção do patrimônio (quando comparados dois a dois). Começam os trabalhos para a regularização da obra da sede social para otenção do alvará e renovação do CNPJ do sindicato.

Prestação de Contas Abril

Fundo de Caixa Abril

MAIO DE 2014

Prestação de Contas Maio

Fundo de Caixa Maio

JUNHO DE 2014

Primeira grande mobilização contra a EBSERH.

Prestação de Contas Junho

Fundo de Caixa Junho

JULHO DE 2014

Mais uma condenação judicial contra os campeões do prejuízo Néris/Messias. Dessa vez a indenização é de quase trinta mil reais.

Prestação de Contas Julho

Fundo de Caixa Julho

AGOSTO DE 2014

Mês da batalha final contra a aprovação da EBSERH pelo COUN. Devolução do imposto sindical aos trabalhadores da FUNPAR/HC.

Prestação de Contas Agosto

Fundo de Caixa Agosto

SETEMBRO DE 2014

Prestação de Contas Setembro

Fundo de Caixa Setembro

OUTUBRO DE 2014

Avança a reforma na sede social para obtenção do alvará. Começa o trabalho de Reforma Estatutária e Preparação do Congresso do Sinditest. Nos próximos dois meses, mais de 30 Assembleias são realizadas em todo o estado do Paraná.

Prestação de Contas Outubro

Fundo de Caixa Outubro

NOVEMBRO DE 2014

É realizado o Congresso do Sinditest e o Almoço comemorativo do Dia do Servidor Público.

Prestação de Contas Novembro

Compartilhar.

Autor

Leave A Reply

X