1º de Maio na Paulista defende alternativa dos trabalhadores

215

32

O 1º de Maio na Avenida Paulista foi marcado pelo céu azul de uma manhã de outono paulistana, e mostrou que existe uma alternativa política, que não é Dilma (PT), mas também não é Temer, Cunha (ambos do PMDB), nem Aécio (PSDB).

Estavam lá trabalhadores e jovens que lutam contra opressões, por terra e moradia, e que estão dispostos a buscar uma alternativa derrube a corrupção, os ataques aos direitos proferidos pelo governo petista e pela oposição de direita.

Do Paraná, o Sinditest-PR e a CSP-Conlutas enviaram uma caravana, formada por dois ônibus.

Defendida por diversas entidades e movimentos que compõem o Espaço de Unidade de Ação, a Greve Geral no país foi apresentada na manifestação como fundamental para construir uma alternativa em defesa dos trabalhadores, da juventude e do povo pobre.

Caravanas de cerca de vinte estados brasileiros trouxeram suas bandeiras para a Avenida Paulista. “Greve Geral para derrotar o ajuste fiscal”, “Fora todos, eleições gerais”, “Fora Dilma, Pezão, Cunha, Aécio e esse Congresso”, “Tirem as mãos de nossos direitos, Greve Geral, Eleições Gerais”.

Esse foi o tom do ato classista, independente e internacionalista, que encheu a Paulista de bandeiras vermelhas pelo socialismo nesse 1º de Maio. Entre os quatro mil presentes estavam petroleiros, bancários, servidores públicos, estudantes e professores de escolas em luta, metalúrgicos, químicos, operários da construção civil, motoristas, aposentados, juventude, os que lutam contra opressões e outros.

A manifestação foi um contraponto aos atos das centrais sindicais governistas, como CUT e CTB, que no Anhangabaú defendiam Dilma Rousseff (PT), e também à Força Sindical, que na zona norte da cidade, aliada à oposição de direita, defendia Michel Temer e Eduardo Cunha (ambos do PMDB). Um contraponto à ausência de questionamento aos golpes desferidos contra os trabalhadores e à ausência de lutas contra tais ataques.

Durante a manhã, o ajuste fiscal foi criticado por inúmeras entidades, assim como o corte de direitos, as demissões, as terceirizações e a reforma da Previdência. “Serviços públicos para os trabalhadores”, alguém disse.

Movimentos sociais como Luta Popular, Mulheres em Luta, Quilombo Raça e Classe, Moquibom, Assembleia Nacional dos Estudantes Livre, coletivos, e partidos de esquerda, como PSTU e correntes internas do PSOL marcaram presença.

“O impeachment de Dilma não é a solução porque troca ‘seis por meia dúzia’. Nós precisamos de um governo socialista, em que os trabalhadores possam governar através de conselhos populares. Enquanto isto não é possível, o mínimo que podemos reivindicar são eleições gerais para que o povo possa escolher seus representantes”, defendeu o presidente nacional do PSTU, José Maria de Almeida.

“Que golpe é esse de que tanto falam? Golpe foi o que o PT deu na classe trabalhadora. Infelizmente, alguns companheiros do PSOL caíram nessa de golpe e atuaram como linha auxiliar do governo do PT, votando contra o impeachment da presidente Dilma. Eu, se fosse parlamentar, iria me abster, pois não somos a favor do impeachment de Dilma, mas também não acreditamos nesse governo”, frisou João Bastista Oliveira de Araújo, o Babá, vereador do Rio de Janeiro pelo PSOL.

Internacionalismo
No ato da Avenida Paulista não foi esquecido que não é somente no Brasil que os trabalhadores vêm tendo direitos históricos atacados. “Na França vem acontecendo o mesmo e lá os trabalhadores estão resistindo com lutas”, ressaltou Cabral.

A presença de um dirigente sindical de Portugal e as mensagens da Itália, Espanha, Paraguai e Inglaterra lembraram que aquele era um ato internacionalista, resgatando a unidade da classe em todo o mundo. Herança de luta desde que 12 trabalhadores foram mortos em Chicago, Estados Unidos, em 1886, durante uma greve que reivindicava a redução da jornada de trabalho.

Ali estavam também a defesa do povo palestino que luta contra o genocídio cometido pelos judeus sionistas, assim como do povo sírio contra a ditadura de Bashar al-Assad.

A CSP-Conlutas defendeu a unidade dos trabalhadores na luta por “Basta de Dilma, de Temer, de Cunha e de Aécio, precisamos organizar os trabalhadores numa Greve Geral”, defendeu Paulo Barela, da Secretaria Executiva Nacional da Central.

Homenagem a Waldemar Rossi
Um momento que emocionou a muitos no ato foi a homenagem ao histórico metalúrgico de São Paulo, Waldemar Rossi, da Pastoral Operária, que está hospitalizado e em estado delicado.

Rossi foi um dos fundadores da Oposição Metalúrgica de São Paulo e também da CUT, no período em que a central era considerada representativa da luta dos trabalhadores.

Seus filhos, Sérgio e Wagner, estiveram no ato no momento da homenagem. Sérgio comentou das lembranças de infância, quando participava dos atos de 1º de Maio e de greves, levado pelo pai. “Me lembro de atos de 1º de Maio, das bandeiras e dos piquetes de greve, com meu pai.”

Paulo Pedrini, da Pastoral Operária, também falou, agradecendo a homenagem a Waldemar Rossi e saudando o ato da Paulista, realizado por entidades que considera do campo de esquerda, que representa a classe trabalhadora.

Música na rua
Banda Záfrica e o hip hop, Nãnãna, da Mangueira, com o samba de raiz, e a Banda Rock. Com música, marcaram presença na Paulista, descontraindo os que estavam no ato e animando o dia de luta dos presentes.

Encerramento
O ato, que havia começado por volta das 11 horas de domingo, teve encerramento em torno 14h30, com a apresentação da Banda Rock.com.
Esta segunda-feira, 02, começa com a reunião nacional do Espaço de Unida de Ação, para avançar na luta e organizar uma alternativa dos trabalhadores, da juventude e do povo pobre no Brasil.

Do site da CSP-Conlutas.

Compartilhar.

Autor

215 Comentários

  1. Pingback: cytotmeds.com

  2. Howdy! I know this is sort of off-topic however I needed to ask.

    Does running a well-established website like yours require a lot of work?
    I am completely new to blogging but I do write in my journal every day.
    I’d like to start a blog so I can easily share my own experience and
    feelings online. Please let me know if you have any kind of
    suggestions or tips for brand new aspiring blog owners.
    Appreciate it! http://herreramedical.org/azithromycin

  3. Pingback: buy oral prednisone

  4. Pingback: who owns hydroxychloroquine

  5. Pingback: price of dapoxetine 60mg

  6. Pingback: dapoxetine medicine

  7. Pingback: hydroxychloroquine otc countries

  8. Pingback: hydroxychloroquine use in mexico

  9. Pingback: hydroxychloroquine brands

  10. Pingback: is metoprolol safe with ivermectil

  11. Pingback: will stromectol help uti

  12. Pingback: dapoxetine in australia

  13. Pingback: plaquenil for scabies

Leave A Reply

X