Primavera das Mulheres: elas são a vanguarda da luta política contra a retirada de direitos

0

72

No segundo semestre de 2015 a luta contra o Projeto de Lei 5069/2013 – que proíbe o aborto em caso de estupro – levantou a onda da Primavera das Mulheres e já traz consigo elementos transformadores. Tomando as ruas de capitais e interiores brasileiros o movimento popular organizado pelas moças pode ser visto como o mais genuíno que tenha surgido desde as Jornadas de Junho de 2013. E veio pra ficar.

O primeiro e maior ato aconteceu em outubro no Rio de Janeiro, depois em São Paulo, Recife e o movimento seguiu nas demais capitais e em algumas cidades mais populosas pelo interior do Brasil. “Esses atos têm um caráter um pouco diferente das formas tradicionais. O ato do Rio, por exemplo, inaugura esse novo momento. As mulheres têm realizado atos de forma mas lúdica, com muitas intervenções, com aspecto artístico e simbólico, com projeções. Em alguns lugares queimaram o boneco do Cunha, como aconteceu aqui em Curitiba”, conta Larissa Rahmeier, estudante de direito, diretora da UNE – opisção de esquerda e militante do RUA-Juventude Anticapitalista.

A queima pública da carcaça de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se deve à autoria do PL 5069. O “invento” deste deputado – investigado por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas – desassiste mulheres vítimas de estupro impondo – numa situação já de extrema de fragilização – a obrigatoriedade do exame de corpo delito, proíbe o uso da pílula do dia seguinte para evitar a gravidez e tolhe o acesso a informações sobre seus direitos quando forem atendidas. “Apesar de afirmarem que o PL não tem um caráter religioso, esse argumento cai por terra pois dos 66 membros titulares da CCJ, 29 fazem parte da Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família, bancada conservadora que se concentra em fazer lobby contra projetos pró-aborto na Câmara”, agumenta Jéssica Miranda, da comissão executiva do Movimento Mulheres em Luta do Paraná.

Jéssica acentua que a lei não deixa claro quais substâncias passam a ter a comercialização proibida dando o direito aos profissionais da saúde e farmacêuticos a decidirem quais serão esses produtos e métodos. “Essa é uma manobra intencional de criminalizar ainda mais a mulheres e de impedi-la a ter acesso ao seu direito de informação quanto sua saúde sexual e reprodutiva”, comenta. O PL 5069 representa um retrocesso na legislação que vem sendo aplicada desde 1940, que prevê a legalização do aborto nos casos em que não há outra maneira de salvar a vida da gestante e em casos em que a gravidez resulta de estupro. Contudo, além deste, há o PL 1545/2011 – mais um de Cunha –  o qual impõe pena de 6 a 20 anos de prisão a médicos que fizeram aborto e os mesmos serão impedidos de exercer a profissão definitivamente.

A partir das ofensivas dos parlamentares as  manifestações da Primavera Feminista surgiram de forma exporntânea, advindas de diversos coletivos feministas e com uma pauta nítida: pelo direito das mulheres de decidir sobre o próprio corpo, contra a violência de gênero e pelo Fora Cunha. “O ato em Curitiba foi muito bom, tendo em vista que Curitiba é uma capital extremamente conservadora, ter um ato feminista grande foi bem simbólico. Isso demonstra nesse momento de grande retrocesso – com o Cunha aprovando vários projetos contra as mulheres, quilombolas, indígenas, juventude negra e trabalhadores – que temos muita força e coragem. Não vamos desistir até o Cunha cair”, afirma Larissa.

Os atos significam um avanço político e a Primavera Feminista veio para fortalecer as mulheres contra tanta austeridade e ataques acredita Jéssica. “Os movimentos feministas estãos e articulando para que as lutas continuem e para que não sejam subjetivas, realmente queremos o Fora Cunha, portanto, os próximos rumos da Primavera Feminista serão até garantirmos nossos direitos e quem sabe a “caída” do Cunha”, afirma.

Parlamentares contra as mulheres

Os parlamentares Gonzaga Patriota (PSB/PE), Pastor Eurico (PSB/PE), Magno Malta (PR/ES), Marco Feliciano (PSC/SP), João Campos (PSDB/GO), Evandro Gussi (PV/SP) também andam lado a lado com Cunha na criação de projetos que atacam diretamente o direto das mulheres. “Vamos aproveitar a reforma do Código Penal (…) para que não contemple nenhuma hipótese de aborto” afirmou recentemente o deputado João Campos, presidente da Frente Parlamentar Evangélica no Congresso, ligado à bancada da bala. O mesmo está sendo investigado desde março por arrebatar parte dos salários de seus assessores.

Texto publicado no Jornal do Sinditest de Dezembro.

Adriana Possan
Assessoria de Comunicação do Sinditest

Compartilhar.

Autor

Leave A Reply

X