Nota pública da CSP-Conlutas e do Sindicato Metabase Inconfidentes sobre o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG)

0

Na tarde desta quinta-feira (5), tivemos a triste notícia da tragédia ocorrida com o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), pertencente à mineradora Samarco.

Até o fechamento desta nota, não havia dados oficiais sobre mortos e desaparecidos. De acordo com o Sindicato Metabase Mariana, havia até o momento entre 15 e 16 mortos e 45 desaparecidos. Além disso, o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, foi totalmente destruído.

A  CSP-Conlutas e o Sindicato Metabase Inconfidentes se solidarizam com as vítimas e se colocam à disposição dos trabalhadores e das comunidades neste momento de dor e sofrimento. Também nos colocamos à disposição do Sindicato Metabase Mariana, representante dos trabalhadores da Samarco Mineração, para, juntos, darmos uma resposta do conjunto do movimento sindical para este grave problema causado pela empresa.

A política da Samarco para com os trabalhadores e as comunidades é a mais perversa possível. Uma empresa que lucra bilhões todos os anos e investe muito pouco em seus trabalhadores, em segurança e nas cidades.

Há aproximadamente um mês, a CSP-Conlutas divulgou um boletim informativo com uma grave denúncia sobre o aumento dos acidentes de trabalho na empresa. Mesmo diante da grave situação de risco, a Samarco manteve sua produção, sem se preocupar com a possibilidade de acidentes iminentes. Para as grandes mineradoras, o mais importante é o lucro. A preocupação com a vida dos trabalhadores e das comunidades é secundarizada.

É necessário construirmos uma forte luta contra a exploração das grandes mineradoras. Para isso, é fundamental a unidade entre o conjunto do movimento sindical para organizar mobilizações junto aos trabalhadores contra os desmandos dessas empresas. O Sindicato Metabase Inconfidentes e a CSP-Conlutas estão à serviço desta luta.

O minério da Samarco está sujo de sangue!
A tragédia ocorrida nesta quinta-feira é mais uma prova da política cruel da Samarco e das grandes mineradoras contra os trabalhadores e as comunidades.

A Samarco, assim como as grandes mineradoras, pensa apenas nos lucros. O objetivo dessas empresas é produzir a baixo custo para enviar cada vez mais dinheiro para seus acionistas. Para isso, economizam com segurança, mesmo que isso coloque em risco a vida dos trabalhadores e das comunidades vizinhas à mineração.

Uma tragédia anunciada

Condições de segurança na Samarco já eram questionadas

O número de acidentes nesta mineração vem aumentando a cada ano. Isso mostra uma constante degradação das condições de trabalho e aumento da exploração.

Se os acidentes aumentam, é porque a empresa não investe em segurança. Agora, com o rompimento da barragem de Fundão, todo esse absurdo fica comprovado. E quem sofre as consequências são os trabalhadores e as comunidades.

Samarco lucra bilhões, trabalhadores morrem e comunidades são destruídas!
Essa é a infeliz realidade. Enquanto tragédias como a desta quinta-feira destroem a vida de trabalhadores e de comunidades, os acionistas da Samarco festejam seus lucros.

Somente em 2014, a Samarco remunerou seus acionistas em quase 2 bilhões de dólares. Além disso, a empresa bateu seu recorde de produção, com 26 milhões de toneladas de minério produzidas.

Vamos unir forças para ajudar os desabrigados!
Este é um momento de grande dor para todos nós, mas em especial para as centenas de famílias, que além de perderem entes queridos tiveram suas casas destruídas.

Nosso Sindicato está organizando uma campanha de recolhimento de roupas e alimentos para ajudar os desabrigados.

Faça parte dessa campanha. Entregue sua doação na subsede do nosso Sindicato: Rua M, 186, Jardim dos Inconfidentes, Mariana.

Fonte: CSP-Conlutas.

Compartilhar.

Autor

Leave A Reply

X