NOTÍCIAS

08/05/2017 - FUNPAR / Geral

Comissão Obreira e Patronal se reúnem para primeira discussão do ACT Funpar



Avançou pouco a primeira reunião entre a Comissão Obreira e a Patronal para discussão do ACT Funpar 2017/2018, realizada na última sexta-feira, dia 05, na sede administrativa do Sinditest. A discussão dos pontos previstos no acordo não trouxe novidades para os trabalhadores e trabalhadoras da instituição, que esperavam um posicionamento oficial da Reitoria sobre assuntos considerados prioritários, como a data base, as férias e, principalmente, as demissões.

“A reposição da inflação é a meta a ser alcançada pela Funpar, mediante autorização da Reitoria. A crise econômico-financeira pela qual passa o HC justifica a impossibilidade nesse momento de se prometer qualquer aumento acima da inflação”, afirmou o assessor jurídico da Patronal Luiz Antônio Abagge.

A Comissão Obreira, composta por Juçara de Oliveira, Paulo Flizikowski, Silvia Spuldaro, Rosana Nunes e pela direção do Sinditest, já deu o recado: não vai aceitar nenhum direito a menos. É o aumento real, acima da reposição da inflação. “Nós também estamos sentindo o impacto da crise, tudo aumentou: mercado, transporte, gasolina. Os(as) profissionais da Funpar não podem ser penalizados por isso”, contrapôs Mariane de Siqueira, coordenadora administrativa e financeiro do Sindicato.

Uma nova reunião para a formalização do ACT acontece ainda esta semana. Obreiros(as) cobram da Patronal, já para o próximo encontro, soluções para as cláusulas relativamente simples, como a entrega de atestado por terceiros em 5 dias, vale cultura, folgas em sábado e domingo, licença para tratamento de familiar e local permanente para reunião da CIPA.  “Pedimos que as cláusulas debatidas até agora sejam efetivamente discutidas com a Reitoria e a Direção do HC. Voltem com contrapropostas para que possamos avançar nas negociações”.

A luta está só começando!

Férias

Foi com surpresa que a assessoria jurídica do HC ouviu os relatos dos(as) trabalhadores(as) sobre a persistência no atraso no pagamento das férias. Para os representantes da patronal, o assunto já estava resolvido - desconhecimento total da situação. “Eu, por exemplo, estou de férias e ainda não recebi. Não tenho previsão de quando isso vai acontecer. Muitos colegas também passaram pela mesma situação”, desabafou Maria Aparecida de Oliveira, trabalhadora Funpar e integrante da direção do Sinditest.

Além do pagamento das férias, o adiantamento do vale transporte também está sendo feito com atraso. “Se há dinheiro para as demissões mensais, não deveria ter atraso no pagamento de férias e vale transporte”, afirmou a funpariana e coordenadora-geral do sindicato Carmen Luiza Moreira.

Uma cláusula que trata da criação de novas sanções para os atrasos da Patronal será levada para o debate junto à direção do hospital.

Demissões

Demissões feitas com critérios objetivos e sem privilégios, com a participação do Sindicato. Esta foi uma das propostas apresentadas pelos(as) funparianos(as) para a assessoria jurídica da patronal. O acordo prevê ainda a dispensa do aviso prévio sem desconto do empregado demissional, haja visto que, segundo relatos, haveria interesse por parte da Reitoria em se criar um Programa de Demissão Voluntária, o famoso PDV.

 “Os(as) empregados(as) da Funpar se sentem ameaçados. Em razão disso as alterações propostas trariam maior segurança e diminuiriam a diferenciação de tratamento que eles(as) sentem em relação à EBSERH”, ressaltou Gabriela Caramuru, assessora jurídica do Sindicato.

A preocupação agora é com a manutenção dos empregos.  “Priorizem o aumento salarial dos empregados e empregadas e não as demissões quando forem estudar as condições financeiras do ACT”, finalizou a trabalhadora Juçara de Oliveira.

Silvia Cunha,
Assessoria de Comunicação e Imprensa Sinditest-PR


Veja mais notícias FUNPAR