NOTÍCIAS

05/06/2017 - Geral / UTFPR

Mudança para a Sede Neoville em 2017 é inviável



“Nesse cenário é impossível mudarmos este ano”, garante um(a) dos(as) trabalhadores(as) da UTFPR envolvidos(as) na transferência para a sede Neoville.  O câmpus de 245.000 m2, com uma área construída total de 31.000 m2, adquirido pelo montante de R$ 65 milhões, precisaria de um aporte de pelo menos mais R$ 10 milhões para poder receber com dignidade alunos(as) e funcionários(as).

Falta tudo e sobra pressão por parte da direção do câmpus Curitiba. A mudança para a nova sede é um sonho que o diretor Cezar Augusto Romano quer realizar ainda na sua gestão. “Eles estão dizendo que vamos nos mudar em setembro, fazem isso de forma muito atropelada. A gente não consegue nem trocar uma lâmpada no local de trabalho e eles têm a ilusão ou fazem um terrorismo de que a galera vai amanhã. Os trabalhadores e trabalhadoras ficam ansiosos porque tem uma vida organizada: a creche do filho, o lugar onde mora, tudo com base naquilo. Então, há essa contradição. A falta de dinheiro para estruturar uma sede nova não é responsabilidade da administração local – estamos vendo cortes em tudo – mas é responsabilidade deles o fato de meterem uma pressão no pessoal dizendo que vai ser pra ontem”, afirma Carlos Pegurski, coordenador geral do Sinditest e trabalhador da instituição.

De acordo com a Reitoria, a intenção é que 850 docentes e pesquisadores(as), 250 técnicas e técnicos-administrativos, 120 terceirizados(as) e aproximadamente 9.000 estudantes distribuídos(as) nos três turnos sejam transferidos(as) para este câmpus, que de Universidade, até o momento, não tem nada. 

Segurança

“O mais grave dos problemas é a segurança. O entorno é problemático, mas não é porque o bairro é periférico que a Universidade não tem que estar lá. É justamente o contrário, a Universidade tem que estar nos bairros mais populares, onde os trabalhadores e trabalhadoras moram. Por outro lado, é evidente que isso exige uma programação maior”, enfatiza Pegurski.

Transporte

Situada na zona sul da cidade, no bairro CIC, a nova sede é de difícil acesso via transporte público. Do Centro, é necessária no mínimo uma troca de veículo até o destino final, num trajeto de aproximadamente uma hora e quinze minutos. O grande problema são os alimentadores: linha Carbomafra e linha Bosch, bem mais demorados que o “vermelhão”.

“Com a estrutura de ônibus que tem hoje, quem mora na região metropolitana não vai conseguir chegar na Universidade pela manhã ou retornar para casa após o término das aulas, às 23h. Então, se ela não serve pro filho e pra filha da classe trabalhadora, serve pra quem?”, questionam os técnicos e técnicas.

Estrutura



Há também problemas relacionados ao local. O terreno, embora seja amplo e permita o crescimento da Universidade, tem como limite o orçamento, que sofre cortes ano a ano e deve ser ainda menor com a PEC da Morte. O mesmo ocorre com os prédios já construídos. Somente para a adaptação do barracão principal seria necessário um investimento de aproximadamente R$ 2,5 milhões. Para a instalação de laboratórios e salas de aula será preciso um sistema de exaustão para que o ambiente não se torne insalubre. Para o futuro bloco administrativo o gasto será menor: a parte elétrica, sem a rede lógica, foi orçada em quase R$ 500 mil.

“Fechamos em seis meses só a execução da elétrica. Nós ainda temos que fazer o processo licitatório, que leva 90 dias na melhor das hipóteses. Nesse cenário é impossível nos mudarmos este ano. A gente trabalha com custo e com prazo de execução. Não adianta trazer as mesas pra cá semana que vem se não temos nem onde plugar os computadores. Não tem condições.”

“Tenho certeza que a Reitoria não tem porte financeiro para bancar isso aí hoje. Para adequar toda a estrutura, para o sonho que o Romano quer, menos de 10 milhões não dá. Levaríamos, no mínimo, cinco anos”, explica um(a) dos(as) trabalhadores(as) da engenharia da instituição.

Falta de planejamento

A falta de planejamento não é novidade. Nos últimos anos, boa parte da quadra ao lado da UTFPR foi comprada e os terrenos estão inativos. Ao mesmo tempo, uma parcela da Reitoria da UTFPR ocupa um prédio alugado e mesmo atividades acadêmicas foram remanejadas nos últimos anos para prédios da região na mesma condição. 

Segundo a Reitoria, existe o plano de desocupar o prédio alugado e ocupar os blocos da Av. Sete de Setembro e da R. Desembargador Westphalen, nas laterais da fachada histórica da instituição. Segundo trabalhadores(as) locados(as) nesses ambientes, essa é uma das razões pelas quais a transferência das atividades do câmpus Curitiba para a sede Neoville estaria sendo tão apressada. 

No entanto, não está claro para os(as) trabalhadores(as) por que movimentar todo o câmpus para lá, se todo o restante da quadra permanecerá sem uso, nesse caso. Ou, se há planos de manter atividades na quadra central, o que implica no projeto de vida de milhares de trabalhadores(as) e alunos(as), resta saber em que instância será decidida a permanência ou a locomoção de cada um dos setores e quais os critérios para isso.

Há um plano para a Neoville?

A incerteza é a regra. Não está claro como o espaço será ocupado. Não há espaço para que a comunidade participe e defina os rumos do seu local de trabalho e estudo. Não está claro como problemas centrais serão resolvidos. Não há também um cronograma real: a direção insiste na data de setembro deste ano para a transferência mesmo sem haver verba que possibilite isso – e, ainda que houvesse, os trâmites de licitação e execução levariam o ano todo.

Com tantas lacunas, os(as) trabalhadores(as) se questionam, afinal, se há de fato um plano real de ocupação para a sede Neoville ou se tudo não passa de pressão para cortar a faixa na atual gestão da direção, que se encerra no final de 2017. “A gestão não deveria trabalhar sobre uma data, mas sobre as condições a serem reunidas para mudar. Hoje por hoje, o que temos de concreto são apenas duas coisas: o local não está pronto para abrigar as atividades do câmpus e o os trabalhadores e trabalhadoras não se submeterão a condições ainda mais precárias”, aponta Pegurski.

A sede, que por enquanto abriga somente o curso de Educação Física, conta com cantina apenas no período da manhã, não dispõe de biblioteca e de qualquer outra estrutura básica de permanência. Em visita realizada pela diretoria do Sinditest e membros da base, além dos poucos(as) funcionários(as), não foram encontrados alunos(as).


Clique aqui e leia o jornal do Sinditest edição especial UTFPR Curitiba na íntegra.

Assesssoria de Comunicação e Imprensa Sinditest-PR
 


Veja mais notícias UTFPR